They are back... in time.

Barry Sonnenfeld repetiu a velha fórmula. Depois do algum insucesso de "Men in Black II" eis que chega o terceiro capítulo de homens de negro. Começando em 1997, passando por 2002 e actualizando em 2012, Agent J e Agent K continuam juntos na defesa da humanidade contra os invasores alienígenas no planeta terra. Para além do regresso do Sonnenfeld, Danny Elfman voltou mais uma vez na banda sonora tal como (óbvio) a dupla Will Smith e Tommy Lee Jones. Sempre fui acompanhando este género de ficção científica que continua a cativar fãs. Achei (especialmente) este filme com efeitos especiais brutais (não estava mesmo à espera de um CGI "brutal" para ser visto em 3D... vamos ser sinceros: às vezes ver um filme em 3D no cinema não vale a pena. Pessoalmente são mais os filmes que me desapontaram na tecnologia 3D do que os bem sucedidos... por isso, para jogar pelo seguro, vê-se a versão 2D e assim não há desperdício de dinheiro nem maus humores com a projecção do filme). Novos personagens incluem actores brilhantes no elenco: Emma Thompson e Josh Brolin. Na equipa destaquei o argumentista Ethan Cohen que já tem uma ascenção na indústria do cinema e no início deste ano anunciou a escrita de "Ghostbusters III". Achei "Men in Black III" muito bom e aconselho a quem segue estes personagens (também recomendado aos aderentes deste tipo de ficção científica).

[Rec]


O filme de Jaume Balagueró e Paco Plaza era a sensação em 2008. Depois de ter saído das salas de cinema, eu mais uns quantos amigos, decidimos ver "[Rec]" numa sala bem pequenina em casa de um dos nossos colegas. Posso dizer que a experiência deste filme só poderá ser vivenciada a 100% no primeiro visionamento (digamos que é como a experiência de "The Blair Witch Project". Basta ver uma só vez e depois recomendar apenas aos outros que não viram o filme). Ao longo destes anos foi-se repetindo a fórmula de "[Rec]" mas sem o mesmo sucesso que o original. Se ainda não viram, é bastante recomendável que o façam.

Macbeth


Roman Polanski tem uma marca muito particular no cinema europeu. Quando realizou no início dos anos 70 uma abordagem à tragédia de William Shakespeare não imaginara que este particularmente, esta versão de Macbeth fosse recomendada a um vasto publico estudioso de teatro. Até hoje continua a ser a versão cinematográfica mais "teatral" e fiel à linguagem cénica de Shakespeare. Uma versão real e recomendável de Macbeth.

Savages


Actualizando a fórmula de "Natural Born Killers", Oliver Stone realizou "Savages", baseado na obra literária de Don Winslow. Crime sem regras e violência barata com uma banda sonora adequada ao género. Não achei nada de extraordinário mas destaco a direcção de fotografia de Dan Mindel e o actor Aaron Taylor-Johnson. O resto do elenco conta com Blake Lively, Taylor Kitsch, Benicio Del Toro, John Travolta, Salma Hayek e Emile Hirsch.

The Lord of the Rings


Existem épicos eternos, histórias do passado que glorificam o que a nossa humanidade conquistou nos dias de hoje. J.R.R. Tolkien não é apenas um escritor sobre o mundo do fantástico, este criou um universo possível num passado ancestral onde os heróis foram quem menos esperávamos. Graças a uma equipa que se manteve unida mais de cinco anos consecutivos, Peter Jackson conseguiu trazer ao grande ecran com a ajuda da New Line Cinema uma trilogia épica: The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring, The Lord of the Rings: The Two Towers e The Lord of the Rings: The Return of the King. Existem contrastes incríveis e reais sobre a Terra Média e a nossa realidade. Aconselho a ler os livros, ver a trilogia e explorar os documentários que mostram este cujo dito contraste. Acho incrível quanto um escritor de outro século consegue criar uma obra prima e que este material seja adaptável aos nossos dias independentemente do formato (cinema, pintura, teatro...). Com Elijah Wood, Sean Astin, Cate Blanchett, Orlando Bloom, Sean Bean, Andy Serkis, Ian McKellen, Viggo Mortensen, John Rhys-Davies, Liv Tyler, Christopher Lee e David Wenham. Para passar de geração em geração.