The Girl with the Dragon Tattoo


Houve muito burburinho, pressão, conversa, crítica sobre o ultimo trabalho de David Fincher - "The Girl with the Dragon Tattoo". Toda a intriga de Daniel Craig e a violência de Rooney Mara apoiaram o legado de linguagem cinematográfica a que Fincher nos habituou com os seus actores e as suas peripécias. Um dos filmes mais aguardados do ano passado. Baseado no primeiro capitulo da trilogia Millenium de Stieg Larsson.

La piel que habito


Já vi muitos filmes de Almodóvar mas deste é que não estava à espera... não entendo como houve algum descontentamento por parte da audiência em relação a "La Piel que Habito". Para além de ter uma banda sonora fascinante (como é costume), Almodóvar consegue sublinhar à sua maneira o psycho criando assim uma tensão típica do seu género de violência. Antonio Banderas regressa ao grande ecran com uma performance poderosa ao lado de Elena Anaya, Jan Cornet e todo um elenco de uma qualidade que só os actores que trabalham com Pedro Almodóvar o sabem. Impressionou-me pela positiva e não há motivos para deixar de gostar deste cinema de autor.

The Iron Lady

Phyllida Lloyd tinha realizado antes deste trabalho "Mamma Mia!" e o argumentista Abi Morgan também assinou o argumento de "Shame" antes de "The Iron Lady". A ideia da biografia de uma das grandes mulheres da política, Margaret Thatcher, mostra os fantasmas de Margaret e o conservadorismo de Thatcher. Quando a política era um tema masculino, uma mulher manteve a sua posição (que mais tarde provocou o caos em Inglaterra). Um filme precioso na colecção de documentos históricos. Meryl Streep contracena ao lado de Jim Broadbent e Richard E. Grant. Streep será sempre um génio desde o primeiro segundo que aparece na tela de projecção, ela é verdadeiramente uma inspiração real sobre o Ser Actriz. Um Grandioso Trabalho Biográfico.

Spork

Este é um filme fora do comum, sem dúvida. Da autoria de J.B. Gruman Jr., responsável pelo argumento e realização. Spork é uma adolescente de 14 anos anafrodita que (sobre)vive às partidas da escola secundária. Achei o trailer surreal e não me arrependi nada de ter visto o filme, é um bom exemplo para ver algo indie simples e divertido; ao mesmo tempo sem ser descabido. Recomendo também pela banda sonora vintage dos anos 90. E porque não?!
 

O Mistério da Estrada de Sintra

 Dois conspiradores geniais, mais que escritores, Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão escreviam uma ficção cruzada com a realidade aparentemente monótona do século XIX. Um filme de Jorge Paixão da Costa inspirado na obra homónima de Queiroz e Ortigão com um elenco fantástico: Ivo Canelas, António Pedro Cerdeira, Rogério Samora, José Pedro Vasconcelos entre outros grandes nomes. Adorei os diálogos e recomendo vivamente a prestar atenção à banda sonora de Guga Bernardo e a mais um excelente trabalho de Luís Branquinho.

Flashdance


Este filme de Adrian Lyne faz parte da coleção de filmes guilty pleasure dos anos 80/90. "Flashdance" fora um êxito na altura onde a simples história de uma rapariga com o sonho de ser bailarina no conservatório encantou mundos e fundos. A personagem era Alex Owens mas a actriz é Jennifer Beals que marcou o ano de 1983 com a sua prestação em "Flashdance". Parece que naquela altura ter Irene Cara na banda sonora era sucesso garantido para um filme comercial de sucesso de bilheteira. Um filme de década.


The Artist


Já considerava este filme um clássico mesmo antes de o ver (por vezes acontece este fenómeno...). A culpa foi de um artigo da revista Empire em Agosto de 2011 que me suscitou uma espera impaciente por este trabalho do realizador Michel Hazanavicius. George Valentin é o galã do espectáculo, o artista do cinema mas quando Hollywood adapta-se aos filmes sonoros, George resigna-se ao silêncio ao contrário de Peppy Miler, uma das novas caras do sonoro. Os actores Jean Dujardin e Bérénice Bejo são brilhantes tal como a banda sonora de Ludovic Bource. Venceu cinco Óscares da Academia e muito mais... Um filme com conceito,a magia que celebra o cinema. Adorei.