Easy A


O realizador Will Gluck está na mira com o seu novo projecto (que está previsto estrear algures no mês de Setembro em Portugal) "Friends With Benefits", um filme que conta com Mila Kunis e Justin Timberlake nos papeis principais, até à data ainda só visualizei o trailer e até me pareceu bastante bem. Já no caso de "Easy A" confesso que menosprezei o filme mal visualizei o trailer mas quase a pedido de uma amiga decidi ver Emma Stone, Amanda Bynes e Penn Badgley numa comédia adolescente; e eis que Hollywood me surpreendeu ao abordar esta fase de puberdade peculiar na vida de um adolescente americano, "Easy A" é a prova de que o género de comédia romântica adolescente está com mais carisma e inteligência diminuindo de súbito as proezas de palhaçada ignorante. Por isso afirma-se que existe mais qualidade (sobretudo na escrita) deste género cinematográfico. "Easy A" é um bom filme onde a mentira tem o papel principal e os rumores encabeçam a vida de Olive. Experimentem.

Buena Vista Social Club

Documentário fascinante de Wim Wenders sobre Ry Cooder, um senhor guitarrista que percorreu Havana inteira para reunir um grupo de músicos perdidos após o colapso de Fidel sobre a terra cubana. O resultado fora tão musicalmente extraordinário que iniciou a ressurreição deste grupo. A história das vozes e mãos de Buena Vista Social Club explora a conjugação de um dialecto de uma cultura em notas musicais. Adorei, genial. Hoje, para além deste documentário, ainda existe o álbum de Buena Vista Social Club, uma compilação de músicas perdidas da época pré-revolucionaria de Havana. Esta foi a origem do trabalho cinematográfico de Wim Wenders. Lendário.

love is betrayal. love is anguish. love is sin. love is selfish. love is hope. love is pain. love is death. what is love? love's a bitch.



De Alejandro González Iñárritu. Bem Montado. Carnal, visceral e quente. Assim é “Amores Perros” um filme de 2000 com Emílio Echevarría, Goya Toledo e o encantador Gael García Bernal. Nesta encruzilhada de histórias o caos é a base por onde os predestinados vivem, os personagens (bastante bem construídos) tentam sair da vulgaridade da sua existência e o amor é o bem/valor mais sacrificado. Várias dimensões diferentes que se tocam no mesmo espaço durante três capítulos. O descalabro das vidas de Maru, El Chivo, Daniel, Valeria, Octavio, Susana e seus adjacentes num jogo privado e ilegal onde toda a emoção é forte e sustém-se. Garantido. Recomendo.

Somewhere

A vida sem rumo de uma estrela de cinema descreve-se em acontecimentos típicos de uma vida fácil. Esta formatação apenas é quebrada com Cleo (Elle Fanning), a filha de Johnny Marco (Stephen Dorff).
Este, que raramente mantém a concentração, começa a dedicar-se à filha e vice-versa. Neste sítio mítico, Chateau Marmont, Sofia Copolla, mais uma vez, dá ênfase onde esta história se desenrola, debruçando-se sempre sob. o momento de cada cena. Os personagens divagam sob. o seu próprio espaço e mantém o tom. Também cada ambiente não contaria o lado observacional que tanto Sofia Copolla impôs de uma maneira "anti-chata"; mas desta vez existem planos mais longos e acções que desafiam a acção e destreza simples do espectador. Neste sítio deserto de sentimento ou conexão, Copolla afirma mais uma vez a sua visão e mostra que não são prémios (nem leões de ouro ou mensagens subliminares subjacentes a algumas cenas) que servem para apreciar um filme. Recomendado a fãs de Sofia Copolla. effortless.

Get tangled up.



Parece que sim. Confirma-se claramente no que toca à área do Cinema, a Disney está disposta a uma renovação de plateau e de equipas. Confesso que a nova aposta de “Tangled” não parecia à primeira vista sustentável (pelo menos a meus olhos… também devido ao trailer). Mas, felizmente, “Tangled” surpreendeu-me de tal maneira que merece estar juntos dos clássicos Disney intemporais. As razões, como sempre, multiplicam-se. A história em si, no seu verdadeiro caroço, valeu de muito ao envolver uma das personagens míticas dos irmãos Griim, Rapunzel, não tenho nada a apontar ao senhor argumentista Dan Fogelman. Toda a trama conjugada com o novo look em 3D poderia assustar muito, principalmente em animações da Disney que retirando as parcerias com a Pixar, só o departamento Disney responsável pela animação estereoscópica causou nuns quantos filmes um falhanço perigoso e que não conseguem chegar aos calcanhares de “Tangled”. Realizado por dois ex-animadores de filmes como “Mulan” ou “Lilo and Stitch”, isto fora uma mais valia para a parceria de Nathan Greno e Byron Howard, os meus parabéns aos dois inclusive. Também não vou ficar por meias palavras com todo o design, construção de personagens e elaboração do look final deste filme, temos um Flynn Ryder quebra corações, Rapunzel verdadeira a si própria e que como casal funcionam não de maneira “atiradiça” mas sim tradicional à boa maneira Disney a que todos estamos habituados. Todos os pedacinhos de cenário que encobrem esta dupla são de traços pormenorizados e completamente acertados (fez-me lembrar como num epidódio de Family Guy, Stewie e Brian vão ter ao mundo paralelo da Disney e tudo à sua volta muda, as expressões corporais e todo um aspecto visual próprio da marca Disney), fiquei contente por saber que existe um 3D Disney tão mágico quanto a sua própria animação rudimentar. Adorável e perfeito de uma ponta a outra. Julguem por vossa justiça. Merece estar na quinta posição da lista pessoal de Tarantino relativa aos filmes de 2010.

Absurdistan

Uma comédia alegórica à guerra entre o feminino e o masculino. Aya (Kristyna Malérová) e Temelko (Max Mauff) nasceram no mesmo dia à mesma hora e desde então nunca se separaram até chegar aos 14 anos de idade. Desde esse período da adolescência começaram outros novos impulsos mas para passar a primeira noite juntos, o casal terá que esperar que as suas constelações se encontrem no céu. Enquanto os dias passam a água começa a escassear na vila pacata onde só existem 14 famílias. Apesar das condições drásticas, as mulheres decidem rejeitar sexualmente os seus maridos até que a água volte à sua terra, isto quando segundo as estrelas a noite especial de Aya e Temelko aproxima-se. Um filme belíssimo de Veit Helmer. Recomendo.

Coffee and Cigarettes





Dois Vícios, um filme. De Jim Jarmusch. Com Roberto Benigni, Steven Wright, Steve Buscemi, Iggy Pop, Tom Waits, Joe Rigano, Renée French, Alex Descas, Jack White, Meg White, Steve Coogan, Alfred Molina, Bill Murray, Cate Blanchett entre outras grandes estrelas. De culto desde 2003.