The Lion King


Acabei de rever numa sala de cinema "The Lion King". Fui lamechas o suficiente para o rever numa sala escura visto que desde meados de 1995 que não via o filme nestas condições e só vos digo que a experiência trespassou o ecran. Esta ultima frase tanto ou pouco poética significa que eu como espectadora tive realmente uma experiência cinematográfica verdadeira, daquelas que é suposto ter quando se vai ao cinema. Porque ir ao cinema não tem que ser uma coisa banal. Pode ser uma experiência que mude, ensine ou mostre uma nova perspectiva, um novo olhar sobre o que te rodeia. Dado que o grande Rei Leão me acompanhava desde a infância lembrava-me de um pouco da história mas não de todos os detalhes, principalmente fixei a sequência inicial mas já não me lembrava dos planos finais. Durante o filme apercebi-me da narrativa simples, clássica e épica (que com 6 anos de idade era impossível perceber tal coisa) a qual contagia qualquer pessoa e contém morais universais. Exemplo básico disso é que toda a emoção que transporto deste filme e que me faz recomendar a outros é o facto de conter uma moral forte sobre o poder da família e a influência que tanto a figura do pai como a figura da mãe tem sobre nós e sobre o reconhecimento do "habitat" onde vivemos. Eu achei e acho estas duas mensagens muito importantes e irei sempre recomendar esta obra-prima de animação a qualquer geração, seja ela qual for.
Enviar um comentário