Shut Up. Kick-Ass.

“Kick-Ass” é provavelmente o melhor filme de Matthew Vaughn até à data. Com Aaron Johnson, Christopher Mintz-Plasse, Mark Strong, Nicolas Cage e Chloe Moretz. Este filme não é sobre um grupo de super herois, não relata dramaticamente a consequência de ser um super herói e não remói a infelicidade de ter super poderes. “Kick-Ass é mais que isso. O comic book fora escrito por Mark Millar, autor de “Wanted”. Um filme com humor genial e muita acção. Mais um para a colecção dos novos contadores de histórias e de claro, o poder da super montagem de um filme no séc. XXI. Recomendo.

No goats. No glory.

Quando cheguei ao festival de cinema de Veneza em Setembro os bilhetes já estavam esgotados para “The Men Who Stare at Goats”. Na altura estava completamente à parte do burburinho do filme e de todo o interesse. Finalmente quando estreou em Portugal fui ver no primeiro fim-de-semana. Este filme de Grant Heslov é uma grande e completa introdução a um acontecimento fantástico na história de Bob Wilton. Bob (Ewan McGregor) é um jornalista exemplar e está em pleno equilíbrio no que toca à sua vida pessoal. Inesperadamente, com a morte de um funcionário na empresa, a aventura chegou sem ser anunciada na vida de Bob. A sua amada trai-o com o editor do jornal e como qualquer homem de coração despedaçado, decide juntar-se às tropas do Iraque. No Kuwait conhece por coincidência “Skip”, Lyn Cassady (George Clooney), um antigo nome relacionado com uma entrevista sobre poderes psiquícos?
Este mero encontro desencadeia toda uma história impossível com todos os “possíveis” efeitos secundários… que só poderia ter sido verdade. Uma comédia bizarra. Muito bom. 4 estrelas.

dois pares de mãos cheias

Estão-me sempre a dizer que depois dos vinte passa tudo a correr… lamento mas comigo não vai ser assim. Nem que espete o dedo ao tempo ^^




* cheers everyone *

Me and You and Everyone We Know



No nosso dia-a-dia, a nossa relação com os outros mudou drasticamente. Actualmente temos mais problemas, soluções e entre-médios. Christine (Miranda July) é uma artista ainda não aceite pelos membros do museu de arte contemporânea, Richard (John Hawkes) tenta contra balançar a sua relação com os seus filhos e consigo próprio. E, enquanto o mundo roda sob o seu próprio eixo, as coisas mudam, gradualmente tenta-mos estabelecer uma conexão. A vida é arte e sentimento em qualquer forma. Um filme mágico e sincero de Miranda July, autora deste filme e de “Are you the Favorite Person of Anybody?”

Walk the Line

Baseado nas duas biografias escritas por Johnny Cash, “Man in Black” e “Cash The Autobiography”, James Mangold realizou uma obra cinematográfica de peso sobre as raízes profundas de John R. Cash. Principalmente, mostra o seu compromisso com a música, um encanto que nunca o desprendeu da realidade, pelo contrário, aproximou-o de tal modo do mundo exterior, amaldiçoando a sua personalidade e também a sua vida pessoal. Vencer na vida é a história de Johnny Cash, um homem soturno que deambulava pela fama entre os anos 50 e 60, que encontrou a perdição em June Carter e manteve-se sempre de preto, sonâmbulo, duro. Com Joaquin Phoenix e Reese Witherspoon onde Phoenix está absolutamente sólido na sua personagem e Witherspoon foi reconhecida neste papel com o Óscar da Academia na cerimónia de 2006. Recomendo.

Cut the red wire.

Vencedor de seis Óscares, “The Hurt Locker”, de Kathryn Bigelow não só somou galardões como fama e muita atenção. A realidade hostil escrita por Mark Boal encabeça personagens como Will (Jeremy Renner), Sanborn (Anthony Mackie), Guy Pearce (Thompson) e Brian Geraghty (Eldridge) que se encontram em Bagdad numa missão arriscada de desmantelamento de explosivos. Aqui a lógica formal não rege as relações entre as pessoas e o dia-a-dia de um soldado mostra ser psicologicamente twisted e ao mesmo tempo sensível. Um filme de uma intensidade brutal onde as feridas da guerra estão à flor da pele.

It’s Complicated

Neste novo filme de Nancy Meyers, o amadurecimento como mulher é notório nesta sua nova história e também no seu novo filme. Voltando um bocadinho a “Something’s Gotta Give”, Meyers conta com Meryl Streep, Steve Martin e Alec Baldwin para contar a história de Jane. Após 20 anos de casamento e 10 de separação, Jane está a reconstruir a sua vida após a traição por parte do marido com outra mulher mais nova. Esta reconstrução mostra-se uma tentativa forçada devido ao ex-marido, Jake, estar confuso e infeliz com a sua nova relação. A tentativa de equilibrar a balança por vezes pode ser difícil… é como um cambalear sem fim. Será que Jane aceitará o marido de volta ou continuará a sua vida? Tudo isto é um pouco complicado. Para quem gosta de uma Nancy Meyers mais madura.