Zen Noir

Maldita a hora em que o despertador tocou às 5 da manha. Um inspector desperta do seu pesadelo para enfrentar mais um caso de um assassinato misterioso. Não fosse o assassinato num templo budista onde as circunstâncias não são o que parecem. Vai ser mais difícil do que pensava. Filme independente, dos bons. De Marc Rosenbush.

Não sei quantas almas tenho

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem achei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem,
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: "Fui eu?"
Deus sabe, porque o escreveu.

Fernando Pessoa

The Golden Coach

O Teatro fora em tempos mais do que uma arte. Era o ganha-pão de muita gente, era o sítio da má fama e do povo, e principalmente, era um negócio que deambulava entre o sucesso e o fracasso. Ainda hoje é assim.
Estamos em pleno séc. XVIII quando uma pequena companhia de teatro instala-se numa colónia, esta tem o aspecto de fazer performances de um teatro de especialidades com música, comédia, épicos, romances e tragédias (típico da época). A estrela deste grupo de artistas é a senhora Camilla (Anna Magnani), uma exuberante actriz que ambiciona algo mais na vida do que pisar o palco todas as noites. À medida que as peças de teatro ganham sucesso, o destino de Camilla irá cruzar-se com o vice-rei do país, com um toureiro famoso e com um polícia espanhol.


Obviamente com o carácter trágico sempre presente, Camilla passa a maior parte do tempo com Ferdinand. Sendo este o vice-rei introduz na história o elemento-chave para o espectador: a carruagem de ouro. Este meio de transporte que equivale a milhões de moedas seduz vivamente Camilla. Neste ponto do filme, o espectador entende que talvez a ambição seja um meio perigoso para satisfazer o nosso coração e mudar o rumo da nossa vida. Pertence aos clássicos de outrora.

Kikujiro no natsu


O pequeno Masao vive com a avó e perdeu o pai. Neste verão irá procurar a mãe incessantemente na companhia de Kikujiro, um homem estranho e descoordenado. Com alguns desvios no seu caminho, esta jornada torna-se numa experiência visual incrível. Um filme de autor – Takeshi Kitano. Muito bom. 4 estrelas.

Sorte Nula

Uma co-produção da SIC, da inteira autoria de Fernando Fragata, “Sorte Nula” conta as coincidências entre várias pessoas a partir de uma zaragata entre Chico (António Feio) e Alberto (Helder Mendes). Mal o sabem quando um problema gera uma tal tensão entre um caso comum de traição que envolverá 3 agentes da polícia, companheiros de trabalhos e um recluso. Tudo isto num mero descampado. Uma historia muito bem trabalhada que prende a atenção do espectador até ao fim no âmbito de revelar o desfecho de cada personagem. 4 estrelas.

Nim's Island


Nim sempre viveu numa ilha isolada, o seu pai Jack e ela são os únicos habitantes de uma ilha no pacífico. Esta ilha maravilhosa proporciona-lhe uma infância invulgar – Nim sabe quase tudo sobre o mundo através da mãe natureza e dos livros que tem por casa, o seu favorito são as aventuras de Alex Rover. Este livro é escrito por uma senhora de São Francisco que já há muito tempo que não sai de casa, que tem medo do mundo lá fora, Alexandra Rover escreve as suas melhores obras fechada entre 4 paredes.
Quando o pai de Nim ausenta-se por 2 dias, a fim de descobrir mais plâncton para continuar as suas descobertas enquanto cientista, este acaba por apanhar um terrível tempestade destruído-lhe o barco. Ao mesmo tempo que Nim, agora completamente sozinha na ilha, descobre que esta a ser invadida por turistas de um cruzeiro, então decide pedir a ajuda ao seu herói - Alex Rover. Será que Alexandra vai embarcar nesta aventura?
Com Abigail Breslin, Jodie Foster e Gerard Butler. Não tem tanta magia como estava à espera mas consegue sobrepor a acção através de uma criatividade natural. Para os mais pequenos. 2 estrelas.


A Hollywood Story


Exactamente à 58 anos atrás, estreava em Portugal "Sunset Blvd." do conceituado Billy Wilder. Sunset Boulevard, Los Angels, Califórnia – existe pois claro, fora palco de inúmeras estrelas dos gloriosos anos 30 passando sucessivamente pelas gerações seguintes ainda é hoje um sítio memorável da história do cinema. Ainda se lembram quando a narrativa era toda linear? E tinha um princípio meio e fim? Não é por acaso que este é um dos muitos clássicos a black and white. Um filme sobre filmes com William Holden e Gloria Swanson (que na minha modesta opinião devia ter ganho o Óscar pelo papel de Norma Desmond). Ela, a antiga estrela ofereceu todo o luxo ao escritor falido mas Joe tem outros planos para a sua vida. 5 estrelas.

Sex and the City


Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda estiveram sempre umas paras as outras nos bons e nos maus momentos. Apesar da vida dar muitas voltas há amizades que duram para sempre, aconteça o que acontecer. Da série que todos conhecemos – “Sex and the City” – escrita por Candance Bushnell que também escreveu a história para este filme, Sarah Jessica Parker, Kim Catrall, Kristin Davis e Cynthia Nixou reúnem-se mais uma vez para mostrar que na big apple nem tudo são rosas. O luxo e o fútil nunca tiveram tanto glamour feminino na cidade das cidades – NY. 1 ou 2 estrelas? (Sim, a série é óptima, o filme não).

Milk


Grandes actores e um grande realizador colidiram grandiosa história de Harvey Milk. O marco histórico aconteceu entre 1970 e 1978, Harvey Milk trocou Nova Iorque por San Francisco. Com o namorado Scott, construiu uma nova vida num bairro em Castro. Intuitivamente começou a interessar-se pelos problemas da sociedade, como pôr em causa a rivalidade entre a autoridade e homosexuais, lutar pelos direitos da comunidade gay e principalmente garantir direitos de igualdade para todos os seres humanos discriminados pela sua raça, religião ou orientação sexual. Este foi um princípio de uma nova consciência.
Na luta contra a discriminação juntaram-se centenas de pessoas que aos poucos tornaram-se milhares, a sua campanha eleitoral era diferente, fazia manchete nas notícias, e incomodava não só a igreja católica como todas as pessoas que continham uma mente conservadora e racista. Na luta pelos direitos humanos, ganhou em 1977 as eleições de distrito, tinha criado um novo movimento que não tinha como objectivo ganhar as eleições mas sim dar esperança a todas vitimas de qualquer tipo de discriminação.
Esta voz de mudança fez-se ouvir nas palavras do discurso de Dustin Lance Black, o argumentista de “Milk” quando recebeu o Óscar.
Também contou com mais um prémio garantido, a escolha de Sean Penn como Melhor Actor Principal, tão merecido e glorificado por esta personagem forte e carismática. Gus Van Sant realizou uma óptima biografia que sem dúvida, não será esquecida. 5 estrelas.