Limelight

A história de um palhaço sem piada e de uma bailarina que não dançava, ou seja, um comediante de renome sem emprego e uma bailarina jovem que tenta o suicídio. Calvero e Terry, são duas personagens dignas em manterem-se firmes à sua cumplicidade, ambos ajudam-se mutuamente; tanto a personagem de Calvero que necessita de acreditar em alguém e de Terry que precisa de um ombro amigo para sobreviver.
Dentro desta narrativa complexa, inundada de pequenas histórias de sonhos e desejos, destaca-se o sentimento predominante de esperança e de um certo incentivo ao apelo de viver intensamente. Logo após a tentativa de suicídio de Terry, Calvero encarrega-se de cuidar da recuperação da rapariga que não tem vontade de viver, esta cena é contrastada mais tarde com Terry a aconselhar Calvero a voltar ao mundo do espectáculo com os seus números de comédia, a acreditar em si próprio. Esta acção ilustra a capacidade de sentir de ambas as personagens, o facto de se poderem exprimir tanto ao espectador como no filme.
Além do riso contagiante que predomina a audiência, este filme assinado exclusivamente por Charles Chaplin é de carácter dramático, onde a narrativa baseia-se na prestação dos actores, ou seja, toda a acção se mantêm firmemente aos dois personagens – Terry e Calvero. Todo o argumento demonstra essencialmente sabedoria, cada frase assenta perfeitamente na vida das duas personagens e também no ponto de viragem em que estas se encontram, aliás este argumento não poderia ter sido escrito sem experiência de vida inigualável ao período de Chaplin.
Contendo uma moral elevada, esta obra conta a mais simples das histórias focando o desejo de viver, de nós, seres humanos, possuirmos a capacidade de nos expressarmos ao mundo, de transmitirmos o que sentimos, de ajudar outros a seguirem os seus sonhos e também da importância em nos adaptarmos a novas realidades fazendo sacrifícios para atingir os nossos objectivos. Obviamente que isto tudo só se é conseguido com o apoio de um grande amigo, de uma eterna amizade. 5 estrelas.

FINALMENTE!

Skins estreia na MTV Portugal


Uma das melhores séries europeias da actualidade e indubitavelmente a melhor série teen dos últimos anos vai estrear em Portugal na MTV Portugal. Em exclusivo ao Hotvnews, representantes da MTV Portugal confirmaram a compra do drama Skins e também a sua data de estreia em Portugal.

Janeiro de 2009. É quando este aclamado drama (ou dramédia) chegará a Portugal.


(...)
sabe tudo aqui: hotnews


Romeo + Juliet

Com “Australia” a chegar ao grande ecran no final deste ano, antes do sucesso de “Moulin Rouge!”, um dos melhores filmes musicais de sempre, Baz Luhrmann ocupava-se em adaptar a história de amor breath taking de todos os tempos – o clássico de William Shakespeare – Romeo and Juliet. A história já todos a sabemos mas esta versão de 1996 é visualmente fascinante, sendo adaptada noutro contexto, noutro palco e noutro espaço. Para este amor de assalto resultar, Leonardo Di Caprio fica irresistível no papel de Romeo e Claire Danes, uma das belas actrizes da sua geração, no papel de Juliet. 3 estrelas.

Prepare to be seduced

Nomeado para 6 Óscares da Academia, vencedor de Melhor Banda Sonora e Melhor Caracterização, “Frida” é um filme da realizadora Julie Taymor (o seu mais recente trablho foi “Across the Universe”), com Salma Hayek, Alfred Molina, António Banderas, Valeria Golino, Ashley Judd, Mia Maestro, Edward Norton e Geoffrey Rush. Esta é a vida de Frida Kahlo, partilhada com o famoso pintor Diego Rivera. Um percurso ousado de uma das mulheres mais intrigantes da história, uma revolucionária política, sexual e artística. Um filme metafórico sobre uma força artística única. 5 estrelas.

No One Gets Away Clean

Antes de começar a jornada do gang Ocean, Steven Soderbergh ganhou o Óscar de realizador por “Traffic” (este filme fora galardoado com o Óscar de Melhor Montagem, Melhor Actor Secundário e Melhor Argumento Adaptado). “Traffic” narra histórias paralelas que se cruzam conforme a infiltração do submundo das drogas no dia a dia dos vários personagens. Nos bastidores da corrupção conseguimos ter uma noção dos vícios que a droga pode gerar no ser humano, também relacionando o poder com a posse de droga ilegal. Com Michael Douglas, Don Cheadle, Dennis Quaid, Catherine Zeta-Jones e Benicio Del Toro. 3 estrelas.

100 anos de Manoel de Oliveira

e para comemorar, a Zon Lusomundo lançou isto no dia 28/11:

Nancy Meyers - uma carreira aos 59

Recentemente, tive a oportunidade de rever pela 2ª vez, “The Holiday” de Nancy Meyers, só depois apercebi-me que já tinha assistido a todos os filmes realizados pela mesma (e até alguns são mesmo da sua autoria como “The Parent Trap”, “The Holiday” e “Something’s Gotta Give” – todos estes projectos foram escritos e realizados por Meyers).
Foi a marca incondicional de Meyers que me fez escrever este comentário sobre os seus filmes, desde já um bom propósito para dar relevo à marca incondicional que deixa nas suas longas-metragens. Todas elas têm um toque inesquecível que aborda vários temas, mas todos eles estão envolvidos numa só palavra – amor. Como membro do público feminino, devo dizer que são filmes fascinantes do ponto de vista dos diálogos, e das reflexões (tanto abordando a filosofia do classic fool, como relatando as aventuras do dia-a-dia que nos apanham de surpresa).
Sim, são filmes mais direccionados para o lado feminino, isso é inevitável, o carácter dramático das personagens são facilmente identificados com o lado humano, em “The Holiday” ambas as personagens, tanto homens como mulheres, são reais, humanos, cheios de emoções, já em “What Women Want” as mulheres são assunto a discodificar e Mel Gibson um homem pronto a ler os pensamentos femininos.
Enquanto existir uma mística sobre o mundo feminino e o risco de gostar de alguém, os filmes de Nancy Meyers irão continuar virtuosos no seu género. Desde “The Parent Trap” até “The Holiday” – 4 estrelas.



P.S.- Meyers encontra-se a trabalhar num novo projecto ainda sem titulo para 2009, e que em principio envolve Merly Streep como personagem principal. Esperemos que sim.

The Forbidden Fruit Tastes the Sweetest


Eu não li o livro de Stephenie Meyer, logo não vou julgar o filme pelo livro. O filme “Twilight” da realizadora Catherine Hardwicke está satisfatório, isto é, é capaz de agradar a todos os membros da audiência (mas isso é jogar com a teoria da relatividade… que num blockbuster está ainda mais exposta do que noutros filmes).
Partindo do Plot Point em que é estabelece-se uma ligação entre Edward Cullen e Bella Swan – ele vampiro, ela uma mortal. Mantemos o princípio de que estes dois personagens principais pertencem a naturezas diferentes, este detalhe foi excelentemente representado pela prestação dos actores – Kristen Stewart e Robert Pattinson resultam numa situação de amor impossível.
Porém, existem algumas frases no guião que não se adequam ao contexto da história, simplesmente não resultam no contexto dramático de certas cenas (como por exemplo o “You’re Beautifull” de Bella quando vê o verdadeiro aspecto de Edward à luz do sol. No entanto conseguimos contrastar com frases magníficas como esta - "About three things I was certain. First, Edward was a vampire. Second, there was a part of him, and I didn't know how dominant that part might be, that thirsted for my blood. And Third, I was unconditionally and irrevocably in love with him").
Para concluir em pleno, não esperem muita acção tal como o trailer sugere, acaba por prometer demais do que a longa-metragem mostra com evidência – a essência do filme é o amor de Edward e Bella. Romantismo numa ligação invulgar. Desejo v.s. Perigo. Gostei. 3 estrelas.

In love, there are no boundaries

Anthony Minghella, autor de inúmeras obras cinematográficas – “Cold Mountain”, “The Talented Mr.Ripley” e “Truly, Madly, Deply” – desta colectânea the “best of” também faz parte uma fita conhecida por todos – “The English Patient”.


Nomeado para 12 Óscares da Academia, arrecadando 9 estatuetas na cerimónia de 1997, recorda-se Ralph Fiennes, Juliette Binoche, William Dafoe, Kristin Scott Thomas e Colin Firth num dos melhores filmes de sempre sobre um desastre de avião no deserto do Sahara que traz memorias inesquecíveis de quem viveu a aventura de uma vida. 5 estrelas.