The Constant Gardener

Sejamos honestos, Fernando Meirelles é único na captação de cores únicas, conseguindo ilustrar o caos de várias situações devastadoras. Depois de “City of God”, uma obra-prima a qual não consigo exprimir algo convincente, na não ser todo o resto que toda a gente disse, qualquer dia escrevo isso...


Com a morte da sua mulher, Tassa (Rachel Weisz), Justin (Ralph Fiennes) aproveita as pistas deixadas pelos documnetos da sua fiel amada com o propósito de acabar a missão de Tassa – desvendar o mistério das drogas administradas à população em África. Uma história do autor John Le Carré. Poderoso. 5 estrelas.

Your World. Your Choice.

Please click here


o novo beat de bond

o tema de "Quantum Of Solace" interpretado por Alicia Keys e Jack White:

Tiago

És aquele a quem posso contar a verdade.
És aquele a quem posso contar a mentira.

As tuas palavras incomodam-me.
A tua presença é-me indiferente.

Imaginar-te de um certo modo satisfaz-me.
Aceitar-te ainda não o fiz por completo.

És tudo o que há de bom num amigo,
Gostava de saber de onde vieste, por onde andas-te…
Quem te multifacetou na pessoa que és hoje.

Conta-me histórias,
Abraça-me,
Um momento contigo é tudo.

Big Fish

Para a equipa foi uma verdadeira aventura gravar “Big Fish”, adicionando Tim Burton à tarefa de adaptar a visão de Danny Wallace da sua obra literária com o mesmo titulo. Estes dois elementos narram a história de Edward Bloom, um senhor que funde o facto com a ficção, contando consecutivamente 1001 histórias de encantar, lendas metafóricas para mistificar a verdade da sua vida.

Com ewan Mcgregor, Albert Finney, Billy Crudup, Jessica Lange, Helena Bonham Cárter, Alison Lohman, Robert Guillaume e mais algumas surpresas no elenco esta historia fora do comum toma proporções mágicas através da fotografia, da musica (Danny Elfman nomeado graças à banda sonora deste filme) e da moral. Espectacular. 4 estrelas.

Saving The World. And Loving It

Depois de ver o filme… e porque não gostar de “Get Smart”? Tem humor, Steve Carrell, Anne Hathaway e Alan Arkin, podemos dizer que vai para a colecção de filmes de consumo-rápido. 3 estrelas.

Wall.e


Realmente… não sei onde a Pixar vai ter espaço que chegue na prateleira para mais um Óscar. Andrew Stanton e toda a produção de “Wall.e” esmerou-se em mostrar o que faz melhor com a nova tecnologia, desde a paisagens sobrenaturais e claro aos pequenos detalhes de cada objecto ou espaço que só a Pixar consegue ser minuciosa. Em concreto, “Wall.e” para além do visual tem uma mensagem forte em preservar o que é nosso, também envolvendo-se numa história romântica com Eve. Mais um triunfo da Pixar para a posteridade. 5 estrelas.

"Mamma Mia!"

Para quem gosta minimamente de musica pop, neste caso, os ABBA, um grupo a que nos habituou a diversos sons dos anos 70 tão vibrantes, cheios de cor e animação, representando uma geração, uma forma de levar a vida. Neste filme de Phyllida Lloyd, pode contar com um local paradisíaco, boa disposição, bom humor, grandes estrelas e principalmente muita música. Será este o feel-good movie do verão ou do ano? Um musical de 4 estrelas.


He's got a funny way of looking at life



Baseado numa obra literária de sucesso do escritor Jonh Irving, “The World According to Garp” é um filme de George Roy Hill fora do vulgar. Para além do grande Robin Williams, conta com a estreia no grande ecran de Glenn Close. Daqueles filmes que fazem encher o coração; obviamente conduzidos por uma excelente narrativa.

4 estrelas.

Pensamentos

(a versão da tenra idade)

Pride & Prejudice

Bonito? Não. Belo? Talvez. Mas pela sonoridade da palavra “Beautiful” é assim que descrevo uma das histórias de amor jamais representadas nos palcos do teatro e em 2005, adaptada para cinema pelo realizador Joe Wright. A visão deste realizador sobressaiu neste trabalho e também, pelo reconhecido “Atonement”, está provado que Wright tem um sentido visual único. Espero ver mais trabalhos deste realizador brevemente.





Sendo este romance de Jane Austen, único na história da literatura pela sua descrição do carácter feminino do séc. XVIII, que sobressai constantemente em cada diálogo, em cada imagem enternecida, por entre diferentes espaços, o drama acolhe as reacções de cada personagem, tantos os Bennet cm Mr. Darcy. A história não vale a pena desenvolver neste breve comentário, a qual também não nos é desconhecida de todo. Assim recomendo não só o filme, como a banda sonora autêntica de Dario Marianelli, que recentemente ganhou o Óscar graças às melodias de “Atonement”. No elenco temos Keira Knightley (nomeada para o Óscar de Melhor Actriz), Matthew Facfayden, Judi Dench, Rosamund Pike, Donald Sutherland e Brenda Blethyn. Apaixonante. 4 estrelas.

e já lá vão 48...

Nudity - Variety - High Society

Judi Dench é uma boa razão para ir ao cinema. Neste caso particular, antes de “The Queen”, Stephen Frears dirigiu outra grande senhora, antes de Helen Mirren. “Mrs Henderson Presents” conta a história de Laura Henderson, uma senhora que reabriu um teatro em Londres no ano de 1937. Depois de contratar um manager, o senhor Vivian Van Damm (Bob Hoskins), o showbiz de variedades invade toda a cultura dos anos 30, sobrevivendo até à eclosão da 2ª Guerra Mundial, quando Londres foi palco de devastação total. Para uma mulher à frente no seu tempo, a senhora Henderson introduziu na comunidade londrina, as regras de respeito aos artistas e principalmente o estilo cabaret então gloriosos em França. Daqueles filmes deliciosos sobre a cultura dos anos 30. 3 estrelas.

A ver... obrigatório

(clike na imagem)

the best summer ever (L)

O porquê do Verão ser sempre melhor que o anterior, não sei, são magias da vida. Voltei com muitas saudades do nosso paraíso. Mas, como não há 2 sem 3, ainda existem 3 dias para finalizar estas férias em pleno, a Festa do Avante! Claro! ;)