Nancy Meyers - uma carreira aos 59

Recentemente, tive a oportunidade de rever pela 2ª vez, “The Holiday” de Nancy Meyers, só depois apercebi-me que já tinha assistido a todos os filmes realizados pela mesma (e até alguns são mesmo da sua autoria como “The Parent Trap”, “The Holiday” e “Something’s Gotta Give” – todos estes projectos foram escritos e realizados por Meyers).
Foi a marca incondicional de Meyers que me fez escrever este comentário sobre os seus filmes, desde já um bom propósito para dar relevo à marca incondicional que deixa nas suas longas-metragens. Todas elas têm um toque inesquecível que aborda vários temas, mas todos eles estão envolvidos numa só palavra – amor. Como membro do público feminino, devo dizer que são filmes fascinantes do ponto de vista dos diálogos, e das reflexões (tanto abordando a filosofia do classic fool, como relatando as aventuras do dia-a-dia que nos apanham de surpresa).
Sim, são filmes mais direccionados para o lado feminino, isso é inevitável, o carácter dramático das personagens são facilmente identificados com o lado humano, em “The Holiday” ambas as personagens, tanto homens como mulheres, são reais, humanos, cheios de emoções, já em “What Women Want” as mulheres são assunto a discodificar e Mel Gibson um homem pronto a ler os pensamentos femininos.
Enquanto existir uma mística sobre o mundo feminino e o risco de gostar de alguém, os filmes de Nancy Meyers irão continuar virtuosos no seu género. Desde “The Parent Trap” até “The Holiday” – 4 estrelas.



P.S.- Meyers encontra-se a trabalhar num novo projecto ainda sem titulo para 2009, e que em principio envolve Merly Streep como personagem principal. Esperemos que sim.
Enviar um comentário